Cinco engenheiros que atestaram a segurança da barragem 1 da Mina do Feijão foram presos na manhã desta terça-feira, dois em SP e três em MG. Bombeiros confirmam 65 mortos e 279 desaparecidos


As buscas pelas vítimas do rompimento da barragem da mineradora Vale na Mina Feijão, em Brumadinho (MG) foram retomadas na manhã desta terça-feira. A avalanche de lama e rejeitos de mineração que devastou parte da cidade da região metropolitana de Belo Horizonte na última sexta-feira, 25 de janeiro, deixou 65 mortes confirmadas, mas os bombeiros, que trabalham nas buscas e resgate de soterrados, estimam em ao menos 279 os desaparecidos.

De acordo com o porta G1, cinco engenheiros que atestaram a segurança da barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho, foram presos na manhã desta terça-feira, dois em São Paulo e três em Minas Gerais. A Polícia Federal em São Paulo também participa da operação e cumpre dois mandados de busca e apreensão em empresas que prestaram serviços para a Vale. O nome das empresas ainda não foi divulgado.

O tsunami de barro causou um rastro de destruição: casas, pousadas e sítios foram soterrados e a lama poluente atingiu o rio Paraopeba, um dos afluentes do rio São Francisco. Familiares e amigos das vítimas reclamam de falta de informações e apoio por parte da Vale.