Candidato a prefeito é acusado de matar o pai, ex-prefeito, e disputa eleições contra irmão

por Redação SN
Candidato a prefeito é acusado de matar o pai, ex-prefeito, e disputa eleições contra irmão em Maranhão
Candidato a prefeito é acusado de matar o pai, ex-prefeito, e disputa eleições contra irmão

O empresário Manoel Mariano de Sousa Filho,  conhecido como Júnior de Nezim, 51 anos, um dos candidatos a prefeito de Barra do Corda, em Maranhão, pelo PSC, é acusado de matar o pai, crime ocorrido em 2017. Manoel disputa a prefeitura da cidade nas eleições deste ano contra um irmão, o deputado estadual Rigo Teles (PV).

Manoel Mariano de Souza, o Nenzim,  foi morto aos 78 anos em 6 de dezembro de 2017, com um tiro à queima roupa no pescoço. O pai de Manoel estava em casa quando o filho foi buscá-lo para levar para uma conversa com o advogado da família. Segundo Júnior, no caminho, a caminhonete com os dois parou em uma rua deserta e o pai pediu que ele parasse porque precisava urinar. O ex-prefeito teria sido baleado nesse momento e que ele sentiu uma pancada no carro, mas achou inicialmente qu eo pai passava mal.

Manoel Filho contou ainda que ligou para o advogado dizendo que o pai não estava bem e só no caminho para casa dele que percebeu “um pouquinho de sangue” saindo do ouvido do pai, que também vomitava. Na casa do advogado, esse assumiu a direção do carro. Eles passaram ainda em um posto de gasolina, onde o motorista da família passou a conduzir a caminhonete. Só então foram para uma UPA. O ex-prefeito ainda foi transferido para um hospital de cidade vizinha, mas morreu no caminho.

LEIA TAMBÉM: Secretário de Cultura de LEM, na Bahia, é encontrado morto com ferimento de faca nas costas

No entanto, o Ministério Público contesta a versão e diz que é insustentável Manoel Filho afirmar que não percebeu que o pai havia sido baleado. A investigação apontou intervalo de 40 minutos entre o momento do tiro e a chegada à UPA. Diz ainda que o carro passou por limpeza completa em um lava-jato. Ainda de acordo com as investigações do MP  Júnior furtava gado das fazendas do pai por conta de dívidas.

Na manhã do crime, o pai queria fazer uma recontagem do gado com o filho. Chegou a contratar um outro vaqueiro para o trabalho. Para o MP, o filho resolveu matar o pai para evitar ser desmascarado. Júnior chegou a ser preso dias após o velório do pai. Ele ficou na Penitenciária de Pedrinhas, em São Luís, até outubro de 2019, quando recebeu habeas corpus para responder em liberdade.

Do BNews

Recomendados para você

Deixe um comentário